Técnicas para pescar as carpas-cabeçudas

Apresentamos os macetes que um especialista da espécie nos pesqueiros costuma empregar para pegar as bitelas

Ney Carpeiro costuma pescar belos exemplares de carpa-cabeçuda na região de Atibaia (SP)

Uma boa pedida para ir ao pesqueiro e aproveitar ao máximo é ter o repertório atualizado sobre técnicas para pescar carpas-cabeçudas.

Nosso staff Maicon Bianchi foi atrás de um especialista no assunto. E, gentilmente, eles nos revelaram alguns de seus macetes. Aproveite, conforme o relato a seguir!

Equipamentos

Este um peixe que não ataca a isca. Mas assopra um jato de água na massa para a liberação de pequenas partículas, para depois  sugá-las. Então é preciso um anzol especial, o famoso “chuveirinho”. Este consiste em vários anzóis com uma mola ao centro. É facilmente encontrado em lojas do ramo.

A boia é especial para carpa, de preferência, sem peso. Vale destacar: para apoitá-la no lugar desejado, use chumbo de tarrafa ou chumbo poita, de 30 a 40 g.

Para lançar este conjunto, o pescador utiliza vara com 2,70m a 3,60m de comprimento, para longos arremessos, com capacidade de 60 a 120 g de iscas. O molinete de porte médio tem capacidade para cerca de 150 m de linha monofilamento de 0,35mm a 0,40 mm de espessura. Além disso, use duas miçangas e um girador com snap, porque são usados para uma troca rápida.

Manter a vara em posição de espera faz parte das táticas para fisgar bons exemplares

Iscas na água 

O ritual começa sempre cedo, antes mesmo dos primeiros raios solares. À beira do lago, cuidadosamente tudo vai sendo montado.  O preparo principal fica por conta da mistura e textura da massa especial.

No momento dos arremessos, indicamos os longos e em direção ao meio do lago.

Enquanto a massa aos poucos  se ia dissolvendo dentro da água e atraindo os peixes, colocamos as varas nos suportes e aguardamos.

Na luta com o peixe precisamos ter calma e não podemos nos apavorar. O puçá para retirar o peixe da água se torna uma ferramenta indispensável.

Montagem da bóia

1º passo: passe o chumbo poita na linha;
2º passo: faça um nó de correr (nó único com outra linha em cima da principal para determinar a altura da bóia);
3º passo: coloque uma miçanga. É importante que não ultrapasse o nó de correr;
4º passo: coloque a bóia e sem seguida outra miçanga;
5º passo: ate o girador com snap
6º passo: para finalizar a montagem, coloque o chuveirinho

Capriche na apresentação! Um peixe manhoso como este requer os mínimos detalhes para ser fisgado

Massa “Ney Carpeiro”

Ingredientes:
2 kg de farinha de milho moída;
1 kg de farinha de rosca;
½ kg de açúcar;
1 kg de batata- doce;
½ kg de amendoim torrado e moído;
essência de banana e mel.
  
Modo de preparo:
1º passo : em uma vasilha, adicione as farinhas, açúcar e o amendoim, e mexa até ficar homogêneo. Coloque a batata- doce e misture até ficar como a textura de uma farofa que é o ponto ideal.

2º passo : peneire toda a massa com uma peneira fina

Dicas: Não acrescente água. Primeiro pesque com a massa sem essência; se não tiver resultado, adicione depois. 

A massa deve “esfarelar”, para que solte suas partículas na água, criando um rastro que atraia o peixe até o anzol. “O diferencial da massa é a textura; tem que estar no ponto exato para esfarelar na água”, ressaltou Ney.

Tenha os ingredientes em mãos e prepare a melhor massa possível na véspera da pescaria