10   +   8   =  

Cinco recordes de peixe “fáceis” de bater

Existem algumas espécies que os recordes já são bem antigos e que provavelmente podem ser batidos a qualquer hora…

Por Lielson Tiozzo

Existem pelo menos cinco recordes de peixe que, na teoria, são fáceis de serem batidos. Todos de espécies populares e de água continental. E da categoria “All tackle” da IGFA. Ou seja, a de maior peso.

Caso o pescador consiga capturar um exemplar maior, deve seguir todos os procedimentos da entidade internacional. A busca por um recorde muitas vezes requer pesquisa e investimento. Mas também pode se dar por acaso. Mesmo assim, o pescador deve estar preparado com pelo menos a régua oficial e o conhecimento do que fazer.

Confira os cinco recordes de peixe “fáceis” de serem batidos:

Piracanjuba

Consta nos registros da IGFA que o maior exemplar capturado pesa 0.620 g (1 lb 6 oz). Esta captura se deu há mais de 20 anos. Em 16 de abril de 1998, no Rio Piquiri, em Mato Grosso. O autor: o brasileiro Helder Coutinho. Mais fácil que esta, impossível…

Tabarana

A espécie não costuma ser muito grande. Lembra muito um dourado, porém prateado. O recorde já é antigo: de 2004. E o peso? Pouco mais de 2 kg (2.04 kg)! Foi capturado no Rio Guatiquia, na Colômbia por Alenjandro Linares. Este pescador, por sua vez, é obcecado por recordes: possui 28, sendo 14 deles ainda insuperados.

Piraputanga

Este é um recorde empatado e que já ultrapassou a barreira dos 20 anos. Ambas capturas se deram em 1997. Marcio Borges de Oliveira pescou um exemplar de 3.36 kg, no Rio Arinos. Já Luiz Nolasco capturou outra um pouco menor, com 3.31 kg, no Rio São Benedito. Talvez o pescador descorde que pescar uma piraputanga de 4 kg não seja fácil. Mas está mais que na hora de superá-lo…

Matrinchã

Este é um recorde mais recente. Peter F. Binaski, fisgou uma bela matrinchã 3.40 kg, no Rio Negro, em 2015. Por mais que, a exemplo da piraputanga, pareça difícil encontrar um exemplar maior, existem relatos de grandes matrinchãs até mesmo em pesqueiro. Por que não tentar?

Traíra comum

A Hoplias spp. é um dos peixes mais comuns do Brasil. O paranaense Robison Cris Brito detém o recorde com uma bitela de 4.26 kg, pescada no Rio Iguaçu, em 2016. Porém, é comum a Pesca & Companhia receber relatos de exemplares que flertam até com os 6 kg. Caso o pescador consiga comprová-lo, por que não entrar para história?

SAIBA COMO HOMOLOGAR UM RECORDE PEIXE NA IGFA – CLIQUE AQUI!

O brasileiro Robison Cris Brito e o exemplar recordista da traíra comum capturado em 2016