1   +   6   =  

Pescaria de dourados no frio: corricar é uma opção

Modalidade é bastante empregada nos países vizinhos, mas é proibida em parte do Brasil (fique atento!)

Um costume muito comum entre maioria dos pescadores é de, durante os períodos de frio, não pescar, pois em geral se tem por regra que não é bom. Mas é possível, não só pescar dourados no frio, como fazer uma excelente jornada, utilizando a técnica do corrico. Vale destacar que na maioria das bacias brasileiras este método é proibido.

Na Argentina, em locais famosos, como Corrientes e Entre Rios, está liberado. Consulte o guia e esteja preparado com equipamento equilibrado. Use varas com mais de 6’ de comprimento, de ação moderada.

Tenha disponível mais de 150 metros linha multifilamento de 0,18 a 0,25 mm. Fizemos os testes e o local que escolhemos para pescar o “Rei do Rio” foi na divisa entre o Uruguai e a Argentina, na cidade de Salto, no Rio Uruguai.

Usamos as iscas artificiais de fundo, mas não com a barbela tão grande quanto as que usamos para locais mais fundos, como o Rio Paraná. Fizemos o trolling entre 4 e 6 metros de profundidade, de acordo com o nível do rio. O fundamental nesta época fria é a insistência e a paciência do pescador, pois os dourados estão mais parados que em outras situações de calor.

Então, a isca, a passar por perto, o acaba irritando. O peixe ataca mais pelo instinto que pela fome. Vimos alguns pescadores insistindo na isca natural, como as tuviras. Mas não surtiu efeito. Os ataques não se davam para “matar” a presa, se não para afugentá-las.

Outra dica importante para os pescadores que forem se aventurar em meio a menores temperaturas é estar bem abrigado, pois a sensação térmica do vento e da água, aliado ao frio do ambiente, faz com que caia abaixo de zero.

Ainda mais no corrico, em que a embarcação fica em movimento constante, muitas vezes cortando o vento bem gelado.

Pescaria de dourados no frio: vá agasalhado e experimente o corrico