4   +   1   =  

Detalhes que você precisa saber para pescar traíra no frog

Esta é uma excelente opção quando a água estiver mais quente ou com a temperatura em elevação

Por Fábio Zurlini

A pescaria de traíras com frog é muito produtiva. Vale lembrar que geralmente a espécie procura ficar embaixo da vegetação, na sombra, camuflada, pronta para atacar qualquer presa que passe ao seu lado. Vale lembrar que os cardumes de forrageiros também procuram abrigo nas sombras e capins, matos e taboas.

Dentro do mato 

Estar com a tralha certa é sinônimo de grandes chances de capturar bons peixes, que seriam exemplares de 2,5 kg a 3,5 kg. Você até pode capturar exemplares maiores, com certeza um feito excepcional, mas a média normalmente é inferior, entre 800 g e 2 kg. 

Como foi descrito anteriormente, o palco de batalha será a vegetação. Nessa situação escolho duas iscas artificiais que são muito utilizadas, pois têm como principal característica serem difíceis de enroscar. São elas: a buzzbait e frogs.

Essas iscas foram criadas originalmente para tirar o black bass da vegetação; em muitos casos, ficaram guardadas e até esquecidas nas caixas de pesca, por terem uso bastante específico, mas hoje voltam com grande destaque na pesca da nossa traíra.

Para que a escolha das duas iscas atenda a suas necessidades, o pescador deve usá-las sem medo de enroscar, e pinchar por cima do mato. Lembre-se:  você estará usando uma isca que dificilmente enrosca, use-a, então, para cobrir grandes extensões de vegetação, sempre fazendo a artificial passar pelas clareiras ou buracos,  porque será ali o ponto de ataque do predador.

As iscas 

Vamos começar pela buzzbait. Essa isca tem seu desenho em V, com a ponta do anzol voltada para cima, como o spinnerbait, mas foi desenhada para trabalhar na superfície, com o objetivo de fazer barulho na superfície e irritar a traíra ou bass.

O buzzbait, no meu ver, só tem uma limitação, que é a de ele não ser desenhado para vegetações mais altas, porque ele enrosca um pouco. Eu procuro usar essa isca em vegetação baixa e, principalmente, nos corredores ao lado do capim. Essas paralelas são, sem dúvida, o forte dessa isca, atraindo a traíra que está na boca do capim.

Seu trabalho é simples. Tente lançar a buzzbait de modo que ela passe o mais próximo possível da estrutura. Vale lembrar que esta é uma artificial que afunda; por isso inicie o recolhimento assim que ela tocar a superfície da água. 

É muito importante começar a recolher logo a isca, para ela começar a rodar suas lâminas e estabilizar o nado e fazer barulho. Parar o trabalho pode ser  sinônimo de enrosco. 

Alterne  sua velocidade, ora mais lento, ora mais rápido, para tentar descobrir o comportando do animal.

Para a buzzbait 

Quando pesco  traíras, minha primeira atitude é reforçar o material, ainda mais nessa situação. Por estar pescando na vegetação ou muito perto dela, é normal fisgar o peixe e o mato vir junto.

Entre as linhas, costumo usar a monofilamento de náilon ou fluorcarbono. No primeiro caso, o náilon afunda menos que o fluorcarbono, tem maior elasticidade, o que faz a isca trabalhar ligeiramente melhor. Eu costumo abastecer a carretilha de perfil baixo com náilon de 14 lb. 

Já na segunda opção, por ser menos elástica, a fisgada é mais firme. Devido   ao uso de  uma linha mais resistente a abrasão, utilizo modelos com 10 ou 12 lb de resistência, o que ajuda a conseguir arremessos mais longos. 

Para trabalhá-las, uso varas de 8 a 20 lb, ação rápida para arremessar iscas de 11 a 14 g. Prefiro modelos mais compridos, de 6´ a 6´6´´. 

Com essa proteção você pode fazer vir trabalhando a soft pela vegetação até chegar aos buracos. Esses pontos merecem atenção especial, visto que   é lá que a maioria dos ataques acontecem. Nesta hora vale trabalhar a artificial com movimentos mais curtos, para que ela fique um pouco mais nesse ponto.

Evite dar puxões, pois fará com que a ponta do anzol fique aparente, tornando  mais fácil o ato de enroscar. 

Além da vegetação mais densa e alta, essa também pode ser usada no mesmo local das buzzbaits, porém, seu trabalho é mais discreto e natural. Tente dar vida, use toques curtos e paradas mais longas. Não  adianta colocar um motor na traseira do sapinho e trabalhá-lo no recolhimento rápido; afinal, você já viu um sapo turbinado? 

A pescaria de traíras com frog é uma das mais fascinantes. Aproveite!