5   +   3   =  

Pescaria de tucunaré com a isca artificial de modelo jerkbait

Todos os detalhes que você precisa saber sobre esta nova moda que possui barbela longa

Por Gustavo Nero Mitsushi

Bons tempos eram aqueles que conseguíamos capturar os tucunarés usando apenas as iscas tradicionais como as clássicas zaras, sticks e as iscas de barbela curta de flutuação rápida que nadam na subsuperficie. Esses plugs ainda podem ser usados com sucesso e, em certas épocas, surtem bastante efeito, entretanto é inegável que os peixes estão cada vez mais seletivos, principalmente devido a grande pressão de pesca.

Os reservatórios da região sudeste e até mesmo os rios amazônicos sofrem com a falta de uma regulamentação mais rígida no que se refere à preservação dos peixes esportivos, sendo assim, é necessário inovar constantemente, buscar técnicas e iscas que ofereçam uma apresentação mais realista, e assim manter o nível de capturas.

A novidade do momento e que tem trazido excelente resultados na pesca dos tucunarés azuis e amarelos (Cichla piquiti & Cichla kelberi) nos reservatórios do Brasil é o uso de jerkbaits de barbela mais longa. Essas artificiais são consagradas na pesca de black bass entre os japoneses e norte americanos.

A íntegra desta reportagem você confere na Edição 295 da Pesca & Companhia!