0   +   9   =  

As melhores maneiras de fazer uma pescaria de matrinchã no pesqueiro

O emprego da isca natural ou viva costuma render boas capturas; saiba como aproveitar

Por Alexandre Olo

A pescaria de matrinchã em pesqueiro costuma ser produtiva. Existem diversas formas de capturar a espécie com isca natural.

Se optarmos pelo uso de boia, então podemos utilizar varas de 1,8 a 2,4 m para linhas de 15 a 20 lb para carretilha ou molinete, abastecidos com linha 0.35 mm.

O chicote pode ser confeccionado com monofilamento ou fluocarbono de 0.40mm. Podemos também optar pelo uso de um pequeno encastoado de mais ou menos 5 cm antes do anzol para evitar que os seus dentes afiados acabem cortando a linha. Ressalto que isso pode afetar ou até mesmo diminuir o número de capturas.

No caso da pesca com boia “cevadeira”, na maioria dos casos, não existe necessidade do uso de encastoado. E isso se dá quando a fisgada é feita de modo mais rápido. Então, a tendência é que o anzol acabe se acomodando no canto da boca, dificultando o acesso da linha aos dentes do peixe. As melhores opções de isca nesse caso costumam ser a própria ração (furadinha ou molhada com pinga),ou as imitações feitas com eva ou cortiça.

Já na pesca de espera com boia, um fato muito comum é que na maioria das vezes a matrinchã acaba se fisgando sozinha. Seu ataque é tão rápido que o pescador só percebe que a boia afundou quando a vara já está envergada, e o peixe salta pela primeira vez na tentativa de se livrar do anzol.

Se não obtivermos ação na superfície e nem na meia água, podemos então optar por uma montagem simples de fundo que pode ser feita da seguinte maneira. Deixe o chumbo solto na linha principal e no final adaptamos um stop de borracha ou eva antes de amarrar o girador. Assim diminuímos o atrito entre o chumbo e o nó.

Depois amarramos um pequeno chicote de monofilamento (0.40/0.45mm) de mais ou menos 20 cm ou cabo de aço de 20 lb, e no final o anzol.

Para essa técnica dê preferência ao uso de varas de ação média. Elas oferecem menor resistência na hora que o peixe carrega a isca, dificultando a percepção do ataque antes da fisgada. As iscas mais atrativas nesse caso são a salsicha, fígado de frango e as massas à base de ração P40 ou carnívora.

Dica: para o chicote é melhor utilizar linhas de cor transparente. A linha principal pode ser de cor mais viva, facilitando assim a visualização do pescador, nas horas em que ocorrem as investidas do peixe na isca.

Além de muito esportiva, a pescaria de matrinchã pode ser bem divertida e movimentada. Ela é capaz de propiciar belas fotos e grandes emoções.

A matrinchã também é bastante ativa nos pesqueiros e oferece bom repertório para capturas