5   +   10   =  

Quais tipos de iscas artificiais podem ser empregadas no corrico?

Modalidade consiste em usar o movimento da embarcação para rebocar a isca

O corrico é uma das modalidades mais tradicionais. Ela pode ser empregada no rio ou no mar. Além das artificiais, as iscas naturais também podem ser “rebocadas” por uma embarcação, sendo bastante eficientes para algumas espécies. Principalmente aquelas que costumam estar espalhadas em uma determinada área, pois você consegue localizar mais facilmente os cardumes.

As artificiais mais usadas são as de barbela longa e em menor escala podem ser usados jigs e tube jigs. Elas são fabricadas com dois materiais: o plástico e o metal. Seja lá qual for o material da barbela, o tamanho e seu ângulo de inclinação são fundamentais para que as iscas alcancem profundidades elevadas.

Alguns fatores devem ser levados em consideração na hora de escolher seus plugs para o corrico. O mais importante é o tamanho da isca. Os peixes têm hábitos alimentares diferentes, que podem variar de região para região e até mesmo conforme a época do ano.

Depois de escolhido o tamanho, é hora de definir a cor. No mercado existe uma infinidade não só de formas, mas também de cores. Todas elas funcionam, basta saber o momento certo para cada uma delas.

O ideal é ter pelo menos duas ou três iscas iguais de cada modelo e cor. Dessa maneira, se os peixes estiverem pegando em uma determinada tonalidade, você pode colocar iscas idênticas nas outras varas.

O corrico pode ser empregado na pesca aos dourados, sobretudo no Rio Paraná, em Corrientes (ARG)