0   +   4   =  

Como deve ser a tralha para pescar dourado no Pantanal

A espécie pode ser pescada com iscas vivas ou artificiais e ambas rendem muitas capturas

O dourado é um protagonista para quem vai pescar no Pantanal. A escolha da tralha para fisga-lo deve ser caprichada.

A espécie pode ser pescada tanto com iscas vivas, como a tuvira, ou com artificiais. Ambas rendem muitas capturas nos rios do Pantanal.

Para pesca com iscas vivas:

A vara deve no mínimo de 6’ de comprimento (1,82 cm), ser de ação rápida e indicada para linhas de 25 a 36 lb de resistência. Com essa configuração o pescador terá mais precisão na fisgada e na hora de arremessar.

A carretilha pode ser a de perfil baixo ou um molinete que possa ser abastecido com linha multifilamento de 30 lb a 50 lb ou monofilamento de 0,40 mm. Indicamos a montagem de um líder de fluorcarbono de 30 lb, e do empate de aço flexível de 50 lb.

Use anzol 7/0 a 10/0 se usar as tuviras como iscas e 6/0 (ou wide gap 3/0 para robalos) com iscas brancas (peixes forrageiros). O chumbo vai variar de acordo com a profundidade do local.

Iscas artificiais:

Use varas de 5’6” a 6’6’” de comprimento para linhas de até 25 lb, de ação moderada ou rápida. Dê preferência para as linhas multifilamento de 25 a 40 lb e faça um líder de fluorcarbono de 30 lb se preferir.

As iscas de meia água e de superfície, entre 9 a 16 cm, sem dúvida, são as mais pegadeiras, sendo as últimas as mais indicadas para quando os cardumes estiverem caçando peixes forrageiros próximos de você.

O dourado é protagonista no Pantanal e a escolha da tralha para poder pescá-lo deve ser a melhor