10   +   10   =  

Os detalhes para uma boa pescaria de superfície no pesqueiro

O emprego de boia com miçanga é muito comum na busca pelos gigantescos “redondos”

Por Alexandre Olo

Numa pescaria de superfície no pesqueiro, usando montagem de boia, tanto com miçanga, coquinho ou até mesmo com a “anteninha”, na maior parte dos casos, o segredo do sucesso nas capturas está em fisgar na hora certa e com agilidade. Ao perceber que “não é comida de verdade”, o peixe rapidamente repele a isca e o pescador perde a oportunidade.

É por isso que na hora de montar o chicote, devemos utilizar uma boinha de cor bem visível, que vai ficar entre a cevadeira e a “anteninha” e que funcionará como sinalizadora na hora da investida do peixe na isca. Assim que a boinha afundar, a fisgada deve ser instantânea. O chicote pode ser montado com monofilamento ou fluorcarbono 0.40mm. O tamanho deve ser entre 1,5 e 3 m, podendo variar um pouco de acordo com cada situação.

Para se obter um melhor resultado nessa técnica, devemos usar varas entre 2,10 e 2,70 metros, de ação rápida, para carretilha ou molinete que comporte no mínimo 100 m de linha 0.35 mm. Do mesmo jeito que podemos fisgar uma pequena tilápia, o embate pode ser travado com grandes tambacus, carpas e até pintados e pirararas de mais de 20 kg.

A linha a ser usada pode ser monofilamento ou multifilamento, mas devemos destacar que a resposta às fisgadas será bem mais rápida se estivermos utilizando a linha de multifilamento

Outra dica que geralmente costuma aumentar significativamente o número de fisgadas é sempre arremessar duas ou três vezes, cevando no mesmo local. E, quando os peixes estiverem subindo para comer, o arremesso deve ser um pouco mais longo e logo na sequência devemos recolher a linha bem devagar, até que a isca fique localizada no ponto dos ataques, evitando assim que se assustem e se afastem desconfiados.

Se após vários arremessos, não ocorrer nenhuma investida na isca em uso, o melhor a se fazer é ir trocando de “anteninha” até encontrar uma que acabe dando resultado, pois, às vezes, a cor da isca ou até mesmo da miçanga é o que vai fazer a diferença no final da pescaria.

Essa isca pode até não salvar a pescaria, mas com certeza é muito produtiva, além de nos dar sempre o benefício da dúvida, ou seja, a cada fisgada, uma nova surpresa.

Os tambas são peixes desconfiados, mas podem ser pescados com simples miçanga