2   +   3   =  

Com o calor: menos barulho, mais capturas na pescaria de traíra

O peixe pode estar manhoso porque a temperatura da água aumenta de maneira gradativa

Por Guilherme Monteiro

Com o aquecimento da água, as traíras começam gradativamente a aumentar sua atividade. Ficam mais ativas e dispostas a atacar para garantir o próprio sustento Porém, este ganho se dá de forma mais lenta, em função das variações frequentes de temperatura climática.

Isso se reflete no comportamento da traíra na hora de atacar a isca, especialmente na superfície. Muitas vezes a gente tem a impressão de o peixe fugir ou mesmo refugar. Mas não é bem isso o que acontece.

Então, esta é uma ótima hora para o uso de iscas sem ratlin, com um trabalho mais sútil e natural, como sticks de madeira por exemplo.

O barulho nem sempre ajuda na atração do predador, e as traíras quando estão mais manhosas são suaves, até mesmo nos botes.

As investidas são sem grandes explosões, apenas mordendo de maneira mais leve.

Nesta situação uma outra dica que costuma funcionar bem é abusar das paradinhas no recolhimento, uma provocação irresistível para as dentuças. Mesmo em boas condições as traíras são mais lentas e precisam de uma “folga” para acertar em cheio a mordida.

Iscas mais silenciosas podem ser mais eficientes em dias de mais calor (Foto: Guilherme Monteiro)