6   +   9   =  

Como não perder o peixe no pulo e quando frear a briga

O pescador deve ficar atento aos movimentos do peixe fisgado para evitar que ele escape

Por Alex Koike

A briga com o peixe é um momento único. Afinal, se trata da consolidação de um sonho, de um longo planejamento. Muitas vezes o pescador fica emocionado e esquece de levar em conta diversos detalhes.

A hora do salto é crítica, pois muitos peixes escapam nesse momento. Dourados e cachorras são campeões nesse quesito, e para piorar possuem a boca “dura” – um obstáculo a mais para a fisgada certeira.

Existem algumas práticas para evitar isso. A primeira delas é manter a linha sempre esticada.

Outra prática é conhecida como “quebrar o pulo” – aqui o pescador abaixa a ponta, movendo em conjunto para o lado oposto do peixe quando ele der sinais de que vai pular, forçando-o para baixo. Uma segunda opção é a de trabalhar rapidamente o peixe, com freio mais fechado, para evitar que ele pule.

Ambas opções funcionam melhor para peixes de menor porte, como uma traíra, tucunaré ou um black bass.

Para peixes de maior porte, o recomendável é utilizar uma técnica contrária – que seria deixar o freio da carretilha mais solto após o primeiros minutos de briga e depois de confirmado as fisgadas. Assim, o animal se mais confortável e a briga fica mais no fundo.

Outra tática é a usada para peixes grandes, como o tarpons. Quando o peixe pular, o pescador afrouxe a linha, para tornar menor a pressão no ponto onde o anzol está preso, além de evitar que o peixe quebre a linha, caso caia em cima dela muito tensionada.

E quando ir devagar?

Trabalhar o peixe com freio ajustado de forma mais branda, deixando o animal mais à vontade para tomar linha quando ele quiser também é uma variação técnica.

Ela é muito empregada quando vamos enfrentar peixes com a boca mole – como as carpas e as piaparas – ou estamos utilizando um anzol pequeno, de arame mais fino ou uma linha de menor libragem.

É importante o pescador ficar atento à pressão imposta ao peixe e sempre conferir, caso contrário a linha pode se romper, o anzol abrir ou rasgar a boca do peixe.

Nessas situação é muito importante que a manutenção do seu molinete ou carretilha esteja impecável, que o freio esteja em perfeito funcionamento, liberando a linha de forma suave e sem tranquinhos.

Quebrar o pulo do dourado é uma missão que o pescador deve levar em conta para ter sucesso na pescaria