1   +   3   =  

Mão na massa de pesca: um cardápio com as receitas mais produtivas

Os mínimos detalhes para você produzir uma isca muito eficiente para a pescaria de diversas espécies de água doce

Por Juninho

Que “ tipo” de pescador você é? Aquele que usa iscas vivas, artificiais ou naturais ? É um universo e tanto, não é mesmo? Em cada uma destas modalidades existe um leque enorme de possibilidades de como usar e fazer com excelência que sua opção de iscas se transforme em resultados efetivos com a captura do tão desejado peixe.

Me considero eclético ao extremo. Não tenho modalidade ou espécie predileta e parto para o que a natureza me oferece de emocionante para cada época. Mas aqui irei repassar um pouco da minha experiência relacionado à pescaria com massas.

Toda vez que for usar massa, o pescador deve ter em mente vários fatores. São eles: forma, cor, textura, cheiro e sabor. Tudo isto deve ser levado muito em conta.

Até há pouco tempo eu não me via usando massa em pescaria de piaparas. Mas por conta de novas táticas que fui descobrindo, a massa ficou esquecida. Outro ponto é que pelo menos aqui na minha região, mais precisamente no Rio Pardo região de Ribeirão Preto (SP), o pessoal tem empregado outras iscas.

Agora, quando vou a Orindiuva (SP), banhada pelo Rio Grande, onde a pesca de rodadinha na piapara e pacus tem bons resultados, a preferência pela massa é incrível.

Grandes amigos e pescadores natos de rodadinha como Murilo Ribeiro e Alexander Ferride daquela região me ensinaram muito. Mergulhei totalmente nesta nova técnica e em poucos meses dominei totalmente o método. Então, coloquei em prática nas minhas pescarias e tive ótimas capturas.

A reportagem completa você confere na Edição 300 da Pesca & Companhia

A íntegra desta reportagem você confere na Edição 300 da Pesca & Companhia!