10   +   10   =  

Não tenha medo do enrosco na pescaria de traíras

Se encontrar um local com características desfavoráveis ao pescador, recorra às iscas artificiais com antienrosco

Já reparou? As pescaria de traíras geralmente se dá em locais repletos de enroscos. Galhadas, vegetação submersa ou mesmo pedras presas no fundo. O negócio é apostar nas iscas artificiais. Entre as boas opções no mercado, o ideal nesta situação é usar uma do tipo soft, para que ela entre na estrutura sem se enroscar.

A dica é empregar uma isca artificia de plástico macio do tipo jerkbait, no sistema weightless ou no-sinker (sem peso). Outras possibilidades são os grubs e criaturas no texas rig ou como trailers de rubber.

Além delas, também é possível usar sapos de borracha de corpo oco, que vai fazer o papel de antienrosco.

Outra opção é a tradicional colher, com protetor de anzol ou spinnerbait, isca em que o formato e a posição do anzol permite que você trabalhe a artificial com menos probabilidade de se prender.

Para uma boa fisgada, sugerimos o emprego de vara de cumprimento igual ou superior a 6’ (1m80). Ela permitirá também um maior alcance no arremesso, o que ajuda a surpreender o peixe. A linha pode depender do gosto individual. As de multifilamento oferecem uma melhor resposta, tanto para trabalhar a isca, quanto para executar a fisgada. Enquanto que as de fluorcarbono são mais resistentes, mais sensíveis e ainda são invisíveis em contato com a água.

As traíras gostam de ficar em locais próximos dos chamados “enroscos” (Foto: Flydreamers)