Foto: Arquivo Pessoal

Você na Pesca & Companhia: expedição na Amazônia e a captura do maior jaú de uma pescadora

Aqui você encontra as melhores histórias de pesca enviadas por nossos leitores

Há alguns meses, fiz uma das viagens mais memoráveis da minha vida. Me lembro do misto de ansiedade e vontade em voltar a pescar depois uma pausa devido à pandemia.

Meu nome é Rayanne Costa e minha paixão pela pesca existe desde criança. Hoje, vou contar o dia que bati o meu recorde pessoal do “maior jaú capturado” como pescadora.  

Saí do Rio Grande do Sul de camionete junto com a minha família. O meu destino foi o Amazonas, entre ida e volta, percorri um trajeto de 9 mil quilômetros. O caminho foi exaustivo, mas que história não fica mais empolgante com uma pitada de aventura?

Depois de 3 dias na estrada, peguei um voo de 70 minutos até a operação de pesca. Enfim, o calor e a brisa fresca que só existe na Amazônia me deram boas-vindas.

“O trabalho’’ começaria no dia seguinte.

Era 6h15min da manhã. Separei iscas brancas (pedaços de peixes da região) e vivas (tuviras) no viveiro do barco com água para conservá-las.

Tralhas prontas: carretilha perfil alto, vara 6,6”, 200 lb, anzol encastoado 12/0, 200 metros de linha multifilamento 0.90 mm, 250 lb.

– Então, vamos pescar!

Paramos o barco em um poço próximo às corredeiras e pedras. Arremessei perto de nós e o guia disse que qualquer lugar pegava peixe. Será? Pois bem, foram 10 minutos de espera até sentir a primeira beliscada. Esperei mais um pouco para o peixe morder melhor a isca e depois dei dois puxões para fisgá-lo.  

Foto: Arquivo Pessoal

Sim, era um peixe gigante.

Não sei você, mas para mim, cada pescaria é como se fosse a primeira. E nessa hora, meu coração chegou a 200 bpm! Poucas vezes senti um ataque tão forte.

Foram 40 minutos de briga com uma linha quase arrebentando por causa do atrito com as pedras, imagina a emoção.

Com a ajuda do guia, trouxemos o bagre até o barco. Na hora, tínhamos apenas uma fita métrica de 1,60 metros… e pasmem! Que troféu! O jaú era maior que isso.

Esperei o peixe recuperar o fôlego e o soltei de volta para a água. Eu também precisei de uma pausa para me recuperar. Foi uma experiência incrível e era apenas o primeiro dia da minha expedição pela Floresta Amazônica (fiquei 10 dias explorando aquela região).

Lá, eu fiquei sem internet, sem sinal de telefone e sem energia. Mas tive paz, tranquilidade e liberdade. Um nascer do sol maravilhoso, que faz a gente querer parar no tempo. Dormia ouvindo o barulho da cachoeira e acordava com o som dos pássaros. E claro, tinha muito peixe grande.

Foto: Arquivo Pessoal

Ter esses momentos de pescaria e aproveitar cada detalhe na natureza, é uma riqueza nos dias de hoje. Você já viveu isso?