Pesque e solte
Foto: Divulgação/SEMADESC

A partir dessa quinta-feira atividade de pesque e solte está liberada nos Rios Paraguai e Paraná, em Mato Grosso do Sul

Período de defeso prossegue em Mato Grosso do Sul até o dia 28 de fevereiro; pesque e solte só poderá ser praticado nas calhas dos rios

A modalidade de pesca amadora “pesque e solte”, em que o peixe é fisgado e em seguida devolvido com vida ao rio, está liberada a partir de hoje, quinta-feira (01), nas calhas dos Rios Paraná e Paraguai, conforme prevê o Decreto Estadual n. 15.166, de 21 de fevereiro de 2019. O período de defeso, entretanto, prossegue nos rios de Mato Grosso do Sul até o dia 28 de fevereiro.

Na modalidade “pesque e solte” o pescador amador deve usar anzóis lisos, sem farpas, para não ferir o peixe, e devolvê-lo imediatamente à água no local de onde foi retirado para garantir sua sobrevivência.

É importante o pescador ficar atento porque o “pesque e solte” só poderá ser praticado nas calhas desses rios, de modo algum na foz de seus afluentes. E ainda, para realizar esse tipo de pesca é preciso que o pescador emita, antes, a Autorização Ambiental para Pesca Amadora, na modalidade “pesque e solte”.

VEJA TAMBÉM:

Pescador esportivo captura maior tucunaré-açú já catalogado no Brasil

Em Santa Catarina, Projeto Redes do Bem busca transformar nylon de redes em arte

Fã de pesca esportiva, Gusttavo Lima é surpreendido com peixe presenteado em show

O período de defeso das espécies, entretanto, continua vigente em todo Estado até dia 28 de fevereiro. Nesse interim nenhum peixe pode ser retirado dos rios, a não ser nas exceções previstas na lei. Outro alerta importante: a modalidade “pesque e solte” será liberada apenas nas calhas dos rios Paraná e Paraguai. O pescador não pode adentrar nas baías, lagos e lagoas marginais, banhados e outros cursos d’água que tenham conexão com esses rios.

O desrespeito à legislação pode levar os pescadores a serem detidos e encaminhados à Delegacia de Polícia Civil para lavratura do auto de prisão em flagrante, podendo, se condenados, pegar pena de um a três anos de detenção. Além do mais, terão todo o material de pesca, motor de popa, barcos e veículos utilizados na pescaria, apreendidos, além de serem multados administrativamente.

Informações: SEMADESC – MS

Acompanhe a Revista Pesca & Companhia nas redes sociais!

Instagram | Facebook | Youtube