Pescaria na Argentina, em Corrientes

Realize seu sonho de pescar os gigantescos dourados e surubins da famosa região do nosso país vizinho

Corrientes, no nordeste da Argentina, é um dos melhores destinos da pesca no continente americano. Cercada pelos rios Paraná e Uruguai a região conquistou a preferência de pescadores do mundo todo porque protege suas principais espécies e oferece fartas pescarias de dourados e de surubins. Não é por qualquer motivo que pelo menos 70 mil brasileiros se deslocam até lá. O atendimento das pousadas vem se aprimorando ano a ano e é difícil encontrar que tenha visitado e tenha voltado insatisfeito. 

O que pescar? 

Os dourados de até 30 kg e os pintados que podem chegar a 70 kg são as principais estrelas. No entanto, pacus, piaparas e piracanjubas de bom porte tão são protagonistas. Dependendo da época e do local também é possível pescar piraputangas e jaús. Os dourados e os surubins são protegidos por lei. 

Os dourados são os grandes protagonistas de Corrientes. A pesca é produtiva no ano inteiro

Licença de pesca 

Consulte a pousada, pois a mesma pode se encarregar de providenciar a sua que é válida pelo período em que estiver na região. 

Qual a melhor época? 

O grande destaque para a pesca dos grandes dourados se dá entre os meses de setembro e outubro, na primavera. Nesse mesmo período, as piracanjubas também estão bem ativas. De dezembro a maio a pesca segue produtiva, incluindo boas épocas para as piaparas e pacus. Já nos meses mais frios, de meados de maio a agosto, a melhor opção fica por conta da pesca aos surubins no Rio Paranazão. Os bagrões parecem dispostos a aquecer os pescadores, já que atacam as iscas de barbela longa, que “lambem” o fundo do rio com muita força.

Os surubins são também destaques. Nos meses mais frios os maiores exemplares costumam dar as caras

Período de proibição da pesca 

Em Corrientes, o período de proibição da pesca no Rio Paraná, por motivo da reprodução dos peixes, é diferente e dividido em dois trechos a partir de 2011. O “rodízio” foi aplicado com base em estudos científicos da Universidad Nacional del Nordeste (UNNE). De Ituzaingó até a zona de confluência do Rio Paraná com o Rio Paraguai, em Paso de La Patria, a proibição começa em meados de novembro e vai até a penúltima semana de dezembro. Esse trecho corresponde à região de fronteira com o Paraguai. Nessa época, nenhum tipo de pescaria é permitido. A partir da aérea de confluência Paraná/Paraguai em todo trecho fronteirço com a província de Chaco a piracema vigora desde 2012 dias da semana fixos. Sendo assim, a pesca amadora fica proibida apenas nas terças e quartas-feiras. Aos sábados e domingos é a vez de a pesca profissional não ser permitida. 

A região possui duas vigências a respeito do período de proibição da pesca; o dourado e o surubim são sempre protegidos

Certificado Internacional de Vacina

A Argentina recomenda que os viajantes oriundos do Brasil tomem a Vacina contra a Febre Amarela, mas não exige o Certificado, de acordo com a ANVISA.

Como chegar? 

Para chegar à Província de Corrientes é fácil. Fica a dica: planeje sua ida de acordo com a quantidade de acompanhantes. Muitas vezes as operadoras oferecem ônibus – leito para grupos de mais de dez pessoas. No entanto, quem for acompanhado de poucos amigos, ou até sozinho, pode recorrer ao carro próprio ou ao avião. 

Carro 

Existem dois “portais” de entrada para Corrientes: por Puerto Iguazu, na Província de Misiones, e por Paso de Los Libres, na fronteira com o Rio Grande do Sul. Para a maioria dos pescadores, a melhor opção é por meio de Foz do Iguaçu (PR). Programe um “stop”. Aproveite para conhecer as lindas Cataratas. Além disso, pode gastar um “pouquinho” com compras em Ciudad del Leste, no Paraguai, ou no Free Shop de Puerto Iguazu. Escolhendo a opção de ir através de Foz do Iguaçu, o turista percorrerá mais 320 km até chegar a Corrientes. Durante a travessia por Misiones existem pedágios que são baratos.

Já para quem parte do Rio Grande do Sul e também de algumas partes de Santa Catarina, o melhor é seguir por Uruguaiana. Em seguida, Paso de Los Libres. Esse acesso está mais perto da região dos Esteros e mais longe dos famosos pontos do “Corredor Grande Corrientes” e do “Corredor Alto Paraná”. Até a capital Corrientes, por exemplo, são 381 km. Mesmo assim, a viagem é tranquila, a pista apresenta boas condições. 

Exigências para ir de carro 

Estar habilitado para conduzir o tipo de veículo usado e levar consigo a carteira de habilitação original e válida;

  • Documentos originais do automóvel ou da moto. Caso o proprietário do veículo não seja o condutor ou o automóvel esteja financiado, o responsável terá que fazer uma autorização, reconhecer firma e encaminhar para o Ministério de Relações Exteriores para legalizar. Para maiores informações de legalização ligar para (61) 3411-8811/3411 8806 ou www.mre.gov.br
  • Seguro contra terceiros (Carta Verde) vigente pelo período da viagem, que cubra eventuais danos causados a terceiros, transportados ou não; • Possuir as placas de identificação do veículo;
  • Possuir extintor de incêndio, dois triângulos, um cabo de aço ou cambão e cinto de segurança;
  • Não é permitido trafegar com engate em desuso;
  • Motocicletas: seus ocupantes deverão utilizar capacetes com visor ou óculos especiais. *Informações dadas pelo Consulado Argentino em São Paulo. Consulte também a sua seguradora. 

Galera no busão 

Muitas operadoras disponibilizam ônibus a partir de um determinador trecho ou até mesmo da própria cidade de origem dos pescadores até o destino final. Nesse caso, a preocupação sobre as exigências para ingressar na Argentina não é de responsabilidade do pescador. No entanto, tem a galera que se junta e resolve “arrumar” um ônibus. Aí o melhor é ficar atento às determinações do governo local:

1. É obrigatória a apresentação da Licença Internacional de Viagem expedida pela ANTT, na qual consta que o veículo ingressará por uma das aduanas argentinas e sairá pela mesma; 2. É obrigatório ter dois condutores, sendo ambos portadores da habilitação específica e válida; 3. Documento original do veículo; 4. Seguro Internacional, a “Carta Verde”; 5. Autorização registrada a favor dos condutores para conduzir o veículo saindo do Brasil para ingressar na Argentina; 6. Certificado de revisão técnica do veículo vigente; 7. Os ônibus com menos de 21 assentos devem cumprir somente os itens 2, 4, 5 e 6. 

*Informações dadas pelo Consulado Argentino em São Paulo. Consulte também a sua seguradora 

Reunir os amigos para viajar de ônibus até Corrientes é uma das alternativas mais econômicas, confortáveis e divertidas

E de avião? 

Para chegar até os points pesqueiros por meio de avião, existem três cidades que recebem voos diários a partir de Buenos Aires: Corrientes, Posadas (Misiones) e Resistência (Chaco). Fica a dica: para quem vai pescar na região mais próxima de Corrientes e até Esquina o ideal é se programar para chegar através de Resistência ou Corrientes. As duas cidades são conurbadas. Já para quem irá para Ita Ibaté, Yahapé e Ituzaingó o melhor é escolher um voo até Posadas. Por isso, consulte sua empresa contratada para saber se no pacote está incluso o serviço de traslado. Caso contrário, não se preocupe: os preços das corridas de taxi na Argentina são bem baratos se comparados aos do Brasil. 

Avião + carro ou ônibus 

As opções nacionais para chegar a Corrientes por meio aéreo são pelos aeroportos de Foz do Iguaçu e de Porto Alegre. Mais requisitada para essa viagem, a cidade paranaense está na tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. De lá o pescador pode alugar um carro ou tomar um ônibus até a cidade escolhida. Vale ressaltar: muitas operadoras oferecem o transporte até a pousada a partir do aeroporto de Foz do Iguaçu.

Fica a dica: se for de avião até Foz, uma sugestão é alugar o carro já em território argentino ou escolher um dos vários ônibus que partem de Puerto Iguazu até as cidades correntinas. Já de Porto Alegre o pescador estará mais perto do Rio Uruguai e do Corredor Paraná Sul. Da capital gaúcha pode-se tomar um ônibus até Paso de Los Libres ou Uruguaiana, e a partir de uma das duas cidades alugar um carro para chegar até o ponto planejado, ou prosseguir com ônibus. 

Documentos necessários 

Não adianta insistir: Carteira Nacional de Habilitação (CNH), Certidão de Nascimento ou até mesmo sua carteira de pesca amadora e outros documentos não serão aceitos para ingressar na Argentina. Muita gente tem história para contar de chegar à aduana vizinha e ser barrada. Por isso, não se esqueça: leve seu passaporte com validade superior a seis meses ou o RG emitido há menos de dez anos. Fique atento a esses detalhes! O documento de identidade é aceito por conta do Mercosul, o bloco econômico no qual Brasil e Argentina figuram como as principais lideranças.

As pousadas oferecem lanchas bem motorizadas e guias muito capacitados para seus clientes