7   +   10   =  

Três maneiras de trabalhar iscas artificiais

Lembre-se destas três possibilidades quando empregar iscas de fundo, de meia-água ou de superfície em sua pescaria

Três maneiras de trabalhar iscas artificiais:

1 – Trabalho de fundo – Esperamos a isca bater no fundo. Quando sentimos a linha bambear, damos um ou mais toques. Esperamos sentir novamente o fundo e recolhemos o excesso de linha. Repete-se então o movimento.

2 – Trabalho de prospecção – Esperamos a isca bater no fundo. Dá se um toque de ponta de vara e recolhe-se a linha, podendo ou não dar paradinhas. O trabalho consiste em alternar o recolhimento com novos toques de modo a trabalhar diversas profundidades. E descobrir a altura em que os peixes estão batendo.

3 – Trabalho contínuo – Recolhe se a isca continuamente alternando toques e recolhimento constante.

Uma boa dica é, no momento do arremesso, quando a isca cair na água, contar de cabeça o tempo que ela demora para descer. Isto serve para ter ideia da profundidade em que está pegando. E também para descobrir se os peixes estão concentrados em determinada camada de água. 

Existem no mercado centenas de modelos de iscas para capturar o tucunaré. Cada uma com um formato, tamanho e peso diferentes, cores chamativas e diversidade de ações. Procure ter uma boa variedade de tipos de ação e cores. Pois de acordo com cada situação, alguma delas irá funcionar com maior eficiência em determinado dia, hora e local.

O interessante é possuir sempre várias iscas de cada tipo, e estudar as melhores formas de trabalhá-las, variando sempre o seu ritmo, cores e ações.  Fazendo isso você estará multiplicando as suas chances de realizar uma boa pescaria.

Trabalhar corretamente a isca artificial significa ter mais chances de captura