6   +   8   =  

Empresário que vendia falsos projetos de iscas artificiais pode pegar 30 anos de prisão

Homem teria usado o dinheiro dos investidores para uso pessoal; indenização pode ultrapassar R$ 1,4 milhões

Por Lielson Tiozzo

Um homem assumiu a culpa de tentar enganar investidores sob a alegação de financiar novos protótipos de iscas artificiais. Para isso, usava patentes de marcas renomadas do segmento. Ele assumiu a responsabilidade em três casos que se deram em maio de 2018, nos Estados Unidos.

Segundo o site Wired2Fish, Andrew J. Reyment terá sua sentença anunciada em junho. Ele deve ser condenado pelo crime de peculato e pode pegar até 30 anos de prisão, de acordo com Departamento de Justiça de Wisconsin (EUA). Além disso, ele ainda pode ter que pagar uma indenização que ultrapassa US$ 350 milhões (cerca de R$ 1,4 milhões).

Reyment foi acusado de peculato e também por um esquema de roubo. Ele teria feito falsas declarações aos investidores sobre sua empresa de iscas de pesca. E depois, ilegalmente e sem consentimento, converteu os fundos dos investidores para seu próprio uso pessoal. A investigação concluiu que parte do dinheiro desviado era investida em cassinos, como forma de “ocultação”.

O acusado havia postado em vários sites de mídia social que estava procurando investidores para sua corporação, Screamline Lures. Como resultado dos posts, vários indivíduos responderam Reyment e, com base em falsas representações, acabaram investindo em iscas.

Os investidores que acabaram enganados são de Wisconsin e Illinois, nos EUA, e da Itália. Eles foram entrevistados por agentes especiais da Divisão de Investicação Criminal (DCI, em inglês), e colaboraram com a investigação.

Site da “ScreamLine” enganava investidores com falsos protótipos de iscas artificiais