8   +   7   =  

Cota zero do tucunaré em São Paulo divide opiniões

Leitores da Pesca & Companhia divergem sobre o tema; Projeto de Lei ganhou força nesta semana

Por Lielson Tiozzo

A possível implementação da cota zero do tucunaré em São Paulo dividiu a opinião dos leitores da Pesca & Companhia. Alguns entendem que a proibição da captura e da venda da espécie pode ser benéfica. Enquanto isso, outros sugerem que o peixe, por ser predador, se converterá em “praga”.

Os comentários podem ser vistos nas redes sociais da Pesca & Companhia.

“Seria um sonho a cota zero até para o robalo”, escreveu Marcos Vinicius. “Sou a favor inclusive para o robalo também”, respondeu Antonio Carlos Alves.

A medida protecionista já existe no Tocantins, onde o Lago do Peixe é considerado uma referência para o turismo da pesca. No local funcionam pousadas especializadas na captura do tucunaré.

No entanto, outros internautas tem uma visão diferente. Inclusive, cobram respaldo científico para que o Projeto de Lei possa dar certo.

“Cota zero para tucunaré é desequilíbrio ambiental na certa. Concordo que não pode haver uma matança desenfreada, mas cota zero acaba com peixes nativos. Tucunaré não tem predador natural nas represas de SP”, opinou Marcelo Cescon.

Em 2017, pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul apontaram que o tucunaré era um inimigo do Pantanal. Isto porque a espécie acabou introduzida na região e, por ser predadora, causa desequilíbrio. Foi apontado um possível risco de apenas os tucunarés dominarem o bioma.

“Cada animal evolui em um lugar do planeta. As pessoas não entendem que cada organismo nasceu em um lugar, peixes, animais ou plantas. Dizer que o tucunaré é introduzido com apelo de pesca é um problema para o Pantanal. Ele pode eliminar outras espécies nativas”, explica o professor da UFMS, Fernando Rogério de Carvalho.

O Projeto de Lei para os tucunarés paulistas foi discutido entre especialistas da espécie e o autor, o deputado estadual Carlão Pignatari (PSDB). A tendência é que nas próximas semanas o texto receba sugestões para que possa tramitar até chegar às mãos do governador João Dória (PSDB).

A proteção do tucunaré pode trazer benefícios para o turismo, mas pesquisadores apontam também riscos ambientais