7   +   9   =  

Como deve ser o anzol para iscas vivas?

A escolha deve ser pautada em algum modelo com arame fino para preservar a isca, porém resistente para aguentar a força do predador

Como deve ser o anzol para iscas vivas? Devemos optar por anzóis de arame fino, bem afiados e formato mais arredondado, como o wide gap, shinner, live bait ou circle hook. 

As duas primeiras características servem para que a isca seja presa de forma rápida e sem machucar muito, evitando que o peixe fique vivo por mais tempo. Já a última é para aumentar os índices de fisgadas, evitando que o volume e o próprio corpo da isca atrapalhem nesse momento. 

O anzol deve ser fixado em locais que não comprometam a vida do animal, não limitem o seu movimento e que sejam resistentes o suficiente para agüentar o movimento do arremesso. 

Os pontos mais comuns ficam perto do dorso, próximo à cabeça e cauda e boca ou na parte inferior entre a nadadeira anal e caudal.

A “sardinha”, como é chamado este peixe forrageiro no Pantanal, sempre rende boas capturas