6   +   2   =  

Rã é uma boa isca para pesca de traíra

Encontrar as rãs, no entanto, pode ser um empecilho dependendo de onde você morar

Uma alternativa de isca natural para a pesca da traíra é a rã viva. O anfíbio é resistente e, ao se debater n’água, chama atenção dos predadores, sobretudo dos maiores exemplares.

O uso de rãs vivas inspirou o desenvolvimento dos “sapos artificiais”, os frogs/softs. Elas são predadas por traíras em condições naturais, já que procuram os espraiados e as partes rasas das lagoas nos períodos de reprodução.

Então, como estes lugares também são habitados pelas dentuças, acabam virando presas fáceis, já que a pele macia é muito danificada com uma só mordida. 

Segundo o especialista na pesca às traíras, Guilherme Monteiro, a forma de iscar é simples: “a rã deve estar inteira. Eu passo o anzol no couro do lombo do animal e cruzo as pernas pela pele”.  

Uma boa sugestão de anzol é o de modelo maruseigo.  O emprego do chumbo vai variar das condições do lugar escolhido. 

Para adquirir as rãs, uma opção é consultar os ranários, locais especializados em criação de rãs para consumo ou até mesmo estabelecimentos especializados em iscas vivas.  

A rã é uma isca empregada na pesca de traíra com bastante sucesso