1   +   3   =  

O que levar na tralha de pesca para não ser chamado de “mentiroso”

Não deixe faltar, por exemplo, uma balança para confirmar o peso de seu troféu

Por Pepe Mélega

Muitas vezes, numa discussão, o pescador acaba levando a fama de “mentiroso”, mesmo tendo de fato capturado um peixão. Existem alguns equipamentos que nunca devem faltar na tralha de pesca para evitar este “constrangimento”.

O que vejo de muito importante no atual conceito da pesca esportiva, no qual pescadores soltam suas capturas consideradas troféus, é a câmara fotográfica. Afinal, sem ela não há a prova de seu feito, não é mesmo?

Uma boa imagem pode, sem dúvida, mostrar o feito que nós pescadores consideremos importante em nossos dias de lazer.

As fotos, porém, têm sido constantemente questionadas. Sempre há alguém pronto a dizer que o peixe está muito na frente, que há Photoshop para aumentar a imagem e diversas outras insinuações com o intuito de desvalorizar capturas tão importantes para quem as conseguiu.

Há solução? Sim, há! Se você curte suas grandes capturas, gosta de guardá-las de modo a não serem contestadas, existem dois acessórios que devem estar na sua tralha.

São eles: fita métrica – fácil de usar e documentar o tamanho de sua captura no momento da foto. Basta não ficar afobado para pegar outro e perder um tempinho documentando o tamanho de seu troféu. Faça a medição do comprimento com ele na água mesmo, procure deixar o exemplar na horizontal e meça da cabeça ao vértice da cauda e peça que alguém o fotografe.

Depois, torne a medir, só que agora a circunferência dele em seu ponto mais largo. Feito isso, fotografe. É fácil, e, além de incontestável e mais legal, é a norma que a IGFA aceita para a inclusão de um novo recorde capturado.

E, mais, é uma maneira interessante de eternizar esse momento de captura tão importante para muitos pescadores. Uma dica: a IGFA tem à venda em seu site uma régua padrão – não é só ela que vale, mas se trata de uma facilidade para se medir dentro das regras por ela estabelecidas.

Balança digital: também fácil de usar, fácil de ler o resultado e comprovar o peso anunciado para o exemplar capturado. Mas, cuidado na hora de fotografar. Faça-o sempre no seco, ou seja, em terra firme e não no barco – é uma exigência para recordes de peso.

Sempre procure fotografar o peixe por inteiro e não somente o visor da balança, pois isso evita comentários do tipo – “também, está puxando o peixe para baixo para aumentar a marcação”. Fique suficientemente afastado do seu troféu para, ao pesá-lo, evitar qualquer insinuação de interferência na pesagem. O mais seguro é usar o remo, por exemplo, para nele prender a balança e suspender o peixe com auxílio de outra pessoa. Assim, fica bem claro qualquer tipo de manipulação que aumente o peso real. Faça, então, a foto.

Balanças digitais são mais difíceis de alterarem, não que no mundo atual não seja possível fraudar algo com tecnologia digital, mas é mais complicado, motivo pelo qual possuem mais credibilidade.

A balança digital ou o boga gripe com balança permitem que você possa calcular o peso do peixão capturado