8   +   4   =  

Pescar na piracema rende multa de até R$ 100 mil em Mato Grosso

Até 31 de janeiro de 2020 a pesca está proibida nos rios do estado. Período foi determinado seguindo “critérios científicos”, segundo o Cepesca

Por Lielson Tiozzo

A partir desta terça-feira, 1º de outubro, até o dia 31 de janeiro de 2020 a pesca está proibida em Mato Grosso. Começa o período de reprodução dos peixes, também conhecido como piracema. Quem for flagrado pescando estará sujeito a uma multa que varia de R$ 1 mil a R$ 100 mil, com acréscimo de R$ 10 por quilo de peixe encontrado. Todo o equipamento de pesca será apreendido.

O Conselho Estadual de Pesca (Cepesca) definiu o período de piracema ainda em abril deste ano. A justificativa é baseada em “critérios científicos”. De acordo com estudo coordenado pela professora e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), doutora Lúcia Aparecida Mateus, a probabilidade de que os peixes estejam em reprodução é de 80% no entre os meses de outubro e dezembro. Janeiro é importante para a reprodução dos peixes de couro e para a Bacia do Alto Paraguai.

“Iniciamos os procedimentos de avaliação e monitoramento dos dados em 2015 e atualmente temos mais de 10 mil registros, aumentando a segurança e assertividade nas avaliações”, explicou a pesquisadora. No estudo feito em 2018, também foi constatado que os períodos reprodutivos para peixes de couro e escama seguem padrões muito similares.

Os estados vizinhos como Goiás, Pará e Mato Grosso do Sul, no entanto, seguem o período convencional para a maior parte das bacias brasileiras: de novembro a fevereiro. Mato Grosso do Sul deve reforçar a segurança na divisa, já que pescadores do Mato Grosso devem intensificar a pescaria no estado enquanto ainda ela ainda for liberada.

O período de piracema deve ser respeitado para assegurar a reprodução dos peixes