2   +   2   =  

Pescaria de traíra com técnica de espera: clássica e infalível

O material rústico e a necessidade de certa paciência tornam esta empreitada única

Por Alexandre Olo

A pescaria de espera é clássica. Remete aos tempos de infância de muita gente. E se o peixe desejado é a traíra, então, nem se fale. Juntar uma tralha com vara de bambu, linha mono e isca natural rende excelentes capturas.

Para essa técnica, precisamos de vara de 3.5 a 4.5 metros e linha 0.40 mm do mesmo comprimento da vara ou pouca coisa maior, ou seja, 20 ou 30 cm a mais. Também devemos contar com uma boia de isopor que suporte o peso da isca a ser usada.

Antes de arremessar, vamos escolher o local da seguinte maneira: observar se há sinais de atividade no local, tipo batidas ou vegetações se movimentando sem ser com a incidência do vento.

Logo após, é só descer a isca até tocar o fundo, pois aí estará a altura certa que em deve ficar a boia. Depois, é só bater a isca na água umas duas ou três vezes para chamar a atenção do peixe.

Feito isso, é só esperar, que geralmente a boia dá algumas mexidas, e logo após afunda completamente.

Nessa hora, devemos segurar a vara bem firme, dar uma fisgada vigorosa e não afrouxar a linha, pois após a fisgada a traíra costuma dar vários saltos, conseguindo se livrar do anzol, se este não estiver bem preso.

Pescar traíra com vara de bambu e isca natural é uma técnica muito tradicional