7   +   8   =  

As grandes traíras da Represa do Capivari

Em recente visita a uma das mais importantes represas do Paraná, mostramos as técnicas mais eficientes para fisgar as traíras com iscas softs

Por Fábio Zurlini

A Represa do Capivari, formada nas proximidades da Usina Parigot de Souza, fica na margem da BR-116, entre São Paulo e Curitiba, a 60 km da capital paranaense. Encravada no Parque Ecológico Ari Bandeira, onde a prefeitura de Campina Grande do Sul (PR) mantém a praça do pescador, possui rampa pavimentada, banheiros e estacionamento para o pescador esportivo, oferecendo uma estrutura de pesca digna de primeiro mundo.

Palco de grandes torneios e eventos, as águas tranquilas do Capivari oferecem ao pescador opções, tais como de lambaris, tilápias, traíras e black basses, que são as espécies esportivas que habitam a represa.

Cada espécie tem sua época certa de captura. Mas a pesca ao bass, em especial, é a que sofre hoje o maior impacto na represa, pois as variações do nível da represa, bem como a pesca predatória reduziram a um nível muito baixo a espécie no Capivari. Esta já foi considerada uma das melhores represas do Brasil para pescar espécie. Por outro lado, a população de traíras e tilápias segue estável, com grandes exemplares em suas águas.

Peixe alvo

Há tempos eu não realizava uma pescaria no Capivari, principalmente de traíras, que é a espécie, depois do nass, que mais gosto de pescar pela sua esportividade.

O Capivari é de fato um local de grandes traíras, onde é possível utilizar todas as técnicas e equipamentos que também utilizamos na pesca do blackbass.

A convite do amigo Alessandro Grosh, proprietário da Captura Sports, alinhamos dois finais de semana para fazer essa pescaria na Represa do Capivari.

A ideia seria testar novas iscas e montagens. A temporada de pesca de traíra no Capivari vai de outubro a marco, período em que o calor predomina .

As traíras do Capivari são peixes da espécie Hoplias malabaricus. Elas gostam de ficar sempre em barrancos pretos e fundos ou em bicos de pedras no fundo. Quando a represa está na cota máxima, as traíras habitam os locais com vegetação rasteira, drops de passagem para locais fundos e bicos com pedras.

Em dias quentes, elas procuram os baixios (locais bem rasos com muita extensão).

Caçam principalmente nas primeiras horas do dia e ao entardecer. De uma alimentação carnívora e vorás, caçam pequenos peixes, anfíbios e répteis.

Por conta das águas limpas do Capivari, a traíra dessa represa é de uma coloração bem clara com linhas marcantes na lateral. Há relatos de grandes peixes chegando a 3,5 kg, mas a média é de 1.0 kg até 2.5 kg.